sábado, 10 de novembro de 2007

E a escolha acertada é...

Portas mandou copiar 62 mil papéis do Ministério da Defesa

O líder do CDS/PP, Paulo Portas, mandou digitalizar mais de 60 mil páginas que se encontravam no seu gabinete no Ministério da Defesa uma semana antes das eleições que ditariam a sua saída do Governo, noticia este sábado o semanário Expresso.

O antigo ministro disse ao jornal que os documentos em causa eram «notas pessoais», a maioria das quais relativas ao CDS/PP, contudo, refere o Expresso, a empresa que procedeu à digitalização indica que alguns documentos tinham escrito «Confidencial», «Submarinos» ou «Iraque».

Os funcionários que procederam à digitalização revelaram ao Expresso que comunicaram o facto à Polícia Judiciária. Esta, no entanto, nunca procedeu à audição de Paulo Portas sobre esta matéria.

(Via Diário Digital)

É o que dá não se fazer jornalismo de fundo e ir ao cerne das questões. Eis então os "verdadeiros" factos por trás desta notícia:o então Ministro da Defesa terá resolvido fazer (à revelia da DECO, por sinal) um teste a 15 centros de digitalização na Grande Lisboa. Na verdade tratar-se-iam de documentos criados para o efeito e cujo objectivo seria única e exclusivamente seleccionar o melhor fornecedor para serviços semelhantes no futuro, poupando custos ao Ministério.

(ou será que, já a prever que em breve voltaria ao seu lugar na oposição parlamentar (surpresa total), Portas terá considerado que para futuros debates com o PM mais valeria trazer a lição bem estudada...)

1 comentário:

Pedro Gomes disse...

Fartou-se de escrever, o homem...