quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Yes, he can!


Barack Hussein Obama é o novo presidente dos Estados Unidos da América. Um feito histórico e um exemplo para a Europa, sempre tão rápida a apregoar a sua "superioridade moral e de valores". A eleição de um negro seria possível num país como Portugal?


PS - Notável, o discurso final de John McCain. Um autêntico senhor.

3 comentários:

Sara SC disse...

Obama é sem dúvida o rosto do dia, aliás do ano! No entanto, incomoda-me o facto de se reduzir a eleição deste candidato à questão racial! É certo que, num país tão racista como são os EUA, onde a memória dos tempos de escravatura está tão presente, a eleição de um negro para Presidente é um momento histórico (o nosso PM ainda me vai cobrar direitos de autor por esta...lol). Mas se Obama fizer desta questão, o seu único campo de batalha, ficarei bastante decepcionada! Vejo nesta eleição a possibilidade de uma profunda transformação nos EUA e espero q essa transformação se reflicta de forma positiva no papel q o país desempenha no contexto internacional!
Respondendo à tua pergunta, acredito até q Portugal talvez fosse dos países Europeus aquele q elegeria um negro com maior facilidade.

Pedro Gomes disse...

Sarita, embora a grande movimentação de eleitores negros tenha ajudado (algo nunca visto anteriormente), não foi pela questão racial que Obama ganhou: foi devido à crise económica, e também porque a maioria dos Norte-Americanos está farta de Bush e dos 8 anos do Partido Republicano no poder. De resto, quer para Obama, quer para os Americanos, a questão da imagem internacional é muito menos importante do que as questões nacionais (saúde, economia, energia...), e com razão :)

Não concordo contigo em relação a Portugal. Se o pai de Barack Obama tivesse imigrado para cá, dificilmente não teria ido viver para um bairro social trabalhando 12h por dia ou mais, e o filho teria muitas dificuldades em trabalhar em algo que não a construção civil, ou mesmo desempregado, com poucas possibilidades de conseguir escapar a esta situação, quanto mais de ser um dia presidente! è triste, mas é o que observa por cá diariamente...

MADALENA disse...

Para começo OBAMA não é negro é castanho (mãe branca/pai negro)o que faz muita diferença...infelizmente.Depois não é descendente de escravos bla, bla, bla, que foram levados para a América( O pai foi estudar fora e voltou). De modo que não é o mesmo 'produto' dos anteriores candidatos afro-americanos. Digamos que este 'vende' bem. Porque sendo negro não o é, porque tem imagem limpa, bonita e 'fala' como um branco, vive inclusivamente numa zona tradicionalmente branca num bairro antigo de Chicago (na america não se reside fácilmente em bairros brancos quando se não o é até porque esse facto desvaloriza as casas). Bom ! Não é com a eleição de Obama que a racista América mudou mas é efectivamente um dia historico a eleição de Obama.
Quanto a Portugal acredito sinceramente que se outro Obama aqui vivesse também seria eleito e que a cor não faria diferença. Compartilho a minha vida também com os Estados Unidos e não tenho qualquer duvida que a sociedade americana é muito mais conservadora e racista que a portuguesa mas sem qualquer dúvida. Elegeram Obama mas não mudaram só com uma campanha eleitoral muitisssimo espectacular e em tempo de grande desespero.
Aliás na sua logica eu diria que para a América foi mais fácil aceitar um Homem negro na presidencia do país que uma Mulher branca.